Artigos

Reconectando

27 de maio de 2019

Os tempos em que vivemos certamente não são comuns. Ao mesmo tempo em que estamos tão “ligados”, através das redes sociais, das notícias que são quase instantâneas, somos como que atropelados com o que está acontecendo ao redor do mundo, não temos o tempo para digerir as informações. Nos falta o tempo do discernimento.

 Assim estamos também cada vez mais separados, com muitas dúvidas, colocando em cheque nossos princípios e valores, não distinguindo entre ser diferente e sermos fiéis a nós mesmos ou simplesmente seguir a maioria. Com nossos medos aflorados, com medo das doenças, da falta dos recursos financeiros, com escassez de alimentos e da água, o grande medo vem da sobrevivência. O planeta Terra está exaurido e demonstra isso com a sucessiva fúria das diversas manifestações da natureza. Esta está intensificando seus recados.

Tudo indicando uma mudança de comportamento global, uma necessidade de resinificação, uma reflexão em primeiro lugar. Os problemas são tão gigantescos, que parecem insolúveis, não sabemos por onde começar. De fato, são problemas que afetam todos moradores do nosso planeta. Não são fantasias, estamos vendo pelas estatísticas, que as previsões estão se concretizando em menos tempo do que o previsto nos tempos do alerta. Muitos de vinte anos atrás.

Então por onde começar esta mudança, esta grande tarefa? A grande ferramenta está dentro de nós mesmos, mas se encontra em estado de dormência. Igual a uma semente, o potencial está dentro dela, o que na verdade ela precisa é de um estímulo para acordar.

Na vida muitas vezes este estímulo vem de fora quando vivenciamos uma situação caótica, mas não precisa ser necessariamente assim.

É mais um processo de despertar, onde cada um tem o seu tempo. Mas no todo esse tempo está se esgotando. Está se exigindo mais do que simplesmente a sobrevivência. Estamos vivendo um tempo de acordar, de despertar para nossa tarefa, de fazer a nossa parte no todo. Não é necessário salvar o mundo, mas sim contribuir com a nossa expertise para o bem do todo. Essa expertise já se encontra dentro de cada um, como também se encontra no potencial da semente. É a nossa missão, trazer o potencial para fora, onde ele possa ser vivido com responsabilidade e com liberdade de escolha. Assim a tarefa, a missão se torna leve e alegre, gerando um grande prazer e realização.

Com um trabalho pessoal de consciência podemos nos reconectar com o essencial, com a Fonte. Dois caminhos apontam para esta direção: o da espiritualidade e da natureza. Um recurso interno e o outro externo. A espiritualidade ligada ao princípio masculino, que orienta, inspira, e a natureza ligada ao princípio feminino, que nutre e acolhe. Portanto os dois princípios inerentes à vida. Os dois são necessários e estão intimamente conectados. É a mesma energia que move o universo, que faz as plantas se desenvolverem, darem frutos, que orienta o impulso para a evolução das diversas espécies dos seres vivos, a se adaptarem, e colaborarem com as mudanças planetárias. É a Vida em si. Ela contém o mistério, a grande sabedoria, que está também em cada pequena célula, que compõe o nosso corpo.

Sugestão de exercício para reconectar com o ser essencial:

Observe mais a natureza, as estações, as diferentes cores, os aromas, as mudanças no clima. Perceba, como o sol ou a chuva tem uma influência direta no seu humor. Observe a mudança nas folhas das árvores, e escolha uma árvore ou planta que chama a sua atenção. Todos os dias, ou quando você passa por lá faça dela o seu campo de pesquisa para uma simples observação continuada. Com a continuidade desta conexão, você vai perceber algo se movimentando dentro da região do cardíaco, sentindo uma ligação entre você e o que está sendo observado.

Você estará se reconectando e poderá ter belíssimos insights para seus problemas, e respostas para as suas indagações.

Você também pode gostar de